Pular para o conteúdo principal

PRIMEIRA EDIÇÃO DO MEMO - MÚSICA, EXPOSIÇÃO E MEMÓRIA ACONTECE EM JANEIRO EM SANTA TERESA, COM ENTRADA GRATUITA

Da Redação - pauta.obilhetedanoticia@gmail.com

Inédito, o evento MEMO - Música, Exibição e Memória nasce em tempos de reinvenção, promovendo encontros e fomentando a reflexão sobre o fazer artístico a partir de três vertentes: a memória, a pandemia e a tecnologia. O ano de 2020 será lembrado como o período em que a pandemia da Covid-19 precipitou uma ruptura no funcionamento das sociedades contemporâneas. Em um cenário onde as pessoas passaram por situações de perda e se viram limitadas aos seus próprios lares, ficou ainda mais evidente o quão necessária a arte é para o equilíbrio saudável, e a tecnologia foi uma grande aliada. A memória, com a sua imensa capacidade curativa reconectou as pessoas com o mundo.

O MEMO - Música, Exibição e Memória, que acontece nos dias 13 e 14 de janeiro, vem alimentar a sede de reconstrução, reunindo algumas das melhores mentes criativas da atualidade, para um fim de semana de histórias estimulantes, ideias inventivas, experiências de aprendizagem e vitrines de tecnologia que permitam aos participantes repensar novas maneiras de enxergar a arte, a memória e os tempos atuais.

Com entrada gratuita, as atividades serão desdobradas em shows, exposição de arte contemporânea, rodas de memórias (conversas), oficinas de investigação de memórias que ficam gravadas nos nossos corpos e que prometem conectar os participantes com os caminhos do nosso mundo interno, todas no Parque Glória Maria e Teatro Ruth de Souza (antigo Parque das Ruínas), em Santa Teresa. Este projeto recebe o fomento da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro e da Secretaria Municipal de Cultura, por meio do Programa de Fomento à Cultura Carioca – FOCA.

“O MEMO trabalhará campos sensíveis como a História, a memória e os afetos. Fala de lugares de memória e também da memória dos lugares e da memória da dor e do encantamento. Abordamos a arte como fonte de inspiração e energia, reforçando sua capacidade de trazer renovação àqueles que a ela recorrem”, explica a idealizadora Lu Araújo, que assina a curadoria e direção-geral do evento.  

Entre as atrações musicais, há shows que celebram grandes nomes da MPB, movimentos artísticos que marcaram a autêntica arte brasileira baseada nas raízes populares, que exaltam a negritude e as raízes ancestrais ou que simplesmente partem de artistas que estão fazendo história neste momento.

Andrea Ernest Dias Quarteto, com o show “Uma roda para Moacir Santos”, vai celebrar a trajetória desse músico negro, nascido em Pernambuco, que terminou seus dias como um dos grandes compositores do cinema em Hollywood. Já o duo de violinistas Ana de Oliveira e Sérgio Raz, com participação de Marcos Suzano e Quarteto de Cordas, lançará o novo álbum “Armoriando” (Selo Sesc), que homenageia o cinquentenário do rico Movimento Armorial, liderado pelo escritor, filósofo e dramaturgo Ariano Suassuna. Destaque ainda para Leila Maria, que levará ao palco do MEMO seu elogiado disco “Ubuntu”, um original tributo com releituras da obra de Djavan e arranjos de inspiração africana, ao palco do MEMO.

A nova geração da música, consciente de que a arte “salvou” as pessoas no momento de isolamento e que sabem que foi inevitável que as suas criações não dialogassem com esse contexto, também marca presença no MEMO. Chico Chico apresenta seu novo EP com duas canções lançadas recentemente: "Espelho” e “Entre Prédios”. Por sua vez, a cantora Priscila Tossan, que participou da sétima edição do programa The Voice Brasil, apresenta o show “A Beleza é Você Menina”, com destaque para a clássica composição de Bebeto e Rubens, originalmente gravada em 1978 e single que a artista lançou em dezembro de 2023, além de sucessos de Cartola e Luiz Melodia. A DJ, percussionista, produtora musical e pesquisadora de discotecagem Tata Ogan, chega para animar a festa e vai apresentar um setlist especial dedicado à “memória afetiva da música brasileira”.

Exposição “Trote Violante”

Lourival Cuquinha é responsável por um dos momentos mais importantes do MEMO, a mostra “Trote Violante”. O trabalho do artista reflete sobre o exercício da liberdade, seja a do indivíduo perante a sociedade, seja a da arte frente às instituições. Atuando no campo político a partir de narrativas subjetivas, sua obra multidisciplinar – que abrange as artes plásticas, o audiovisual e a intervenção – é frequentemente marcada pela interatividade com o público e o meio urbano.

As obras politizadas, que criticam a exploração de recursos naturais e o desrespeito aos povos indígenas, compõem a individual do artista recifense Lourival Cuquinha, a exemplo de “Torniquete” (2021), onde o artista usa cinzas das queimadas brasileiras para amplificar a discussão sobre as tragédias ambientais que vivemos nos últimos anos. Já a obra “O caboco 7 flechas x ordem e progresso” (2015), apresenta flechas indígenas de etnias do Xingú, como os Araweté. Nela, as flechas atravessam moedas de 50 centavos de real – cuja lateral é ornada com o lema da bandeira nacional brasileira, “Ordem e Progresso” –, denunciando uma política desenvolvimentista alheia aos pensamentos dos povos tradicionais e à preservação do meio ambiente original. A peça remete a luta dos indígenas que tiveram seu território atingido pela Usina de Belo Monte. Outras obras da série “Transição de fase” (2014-2023), que são frequentemente compostas por cédulas verdadeiras de dinheiro, complementam a exibição.

Rodas de Memórias

O MEMO oferece em sua programação uma série de conversas com nomes importantes do pensamento moderno, no encontro “Rodas de Memórias”. O público será convidado a compartilhar sentidos de memória, arte e tecnologia. É sabido que a memória desempenha um papel fundamental na elaboração de nossas percepções sobre o presente. Ela é responsável por armazenar e recuperar informações e experiências passadas, e essas lembranças, que estão na base de nossos sentimentos e opiniões, são cruciais para a compreensão do mundo ao nosso redor. No sentido científico, podemos abordar a memória como a capacidade que temos de reter informações no cérebro ou, em tempos atuais, em sistemas artificiais.

“A memória é um componente vital para a continuidade e a compreensão da cultura. Ela fornece uma base para a identidade, a compreensão do coletivo e a evolução da cultura digital. A preservação consciente da memória contribui para a construção de sociedades resilientes, conscientes de seu lugar na História, capazes de se adaptarem às mudanças”, diz a museóloga Mariana Várzea, curadora e mediadora das Rodas de Memórias.

Entre os convidados estão a filósofa e antropóloga Janaína Damaceno, que conversará sobre “Memórias, Afrovisualidades e futuros possíveis”; o filósofo, mestre em Letras, jornalista, escritor, cineasta Dodô Azevedo, que falará sobre “Memória digital, entre apagamentos, inovações e combates”, além do premiado artista visual Lourival Cuquinha, que versará sobre “Memória e arte, lugar de encontros e confrontos”.

Oficinas

O MEMO contará ainda com oficinas que visam trabalhar lembranças e vivências. Somos atravessados por histórias desde a nossa concepção. Histórias de nossos pais, de nossos antepassados, do contexto histórico e social, das nossas escolhas. Esses atravessamentos geram memórias que ficam gravadas nos nossos corpos. Nas oficinas de “Estandartes: Memória e Tradição”, ministrada pela designer e arte educadora Maristela Pessoa e na dedicada ao “Corpo, Memória e Transcendência”, da psicóloga e especialista em terapia do trauma Priscila Lobianco, a proposta é promover uma delicada ampliação do diálogo com nossas memórias implícitas e gerar o movimento necessário de transformação e cura.

Em dois dias de encontros e reflexões, o MEMO promete alimentar os lugares de memória, a memória dos lugares e promover experiências coletivas para que cada indivíduo encontre o outro e partilhe a memória comum.

Sobre o MEMO: Projeto inédito, idealizado por Lu Araújo, que nasce em tempos de reinvenção, promovendo encontros e fomentando a reflexão sobre o fazer artístico. É uma conjunção artística e cultural entre Música, Exibição e Memória, onde a ideia principal é refletir sobre a interdisciplinaridade da memória e a pluralidade dos afetos que nos conectam com o passado, o presente e o futuro. A memória é abordada como matéria-prima da Arte e da Filosofia, como fonte de inspiração e energia combativa, lugar dos sentimentos, de reconciliação, de luto, de tolerância e de construção de um futuro melhor sobre a base de um passado comum. O evento faz parte de uma série de ações que serão realizadas durante o ano de 2024, com a chancela do consagrado MIMO Festival, evento com 20 anos de existência, criado por Lu Araújo, e que tem como pilares a música, o patrimônio e a educação no campo das artes.

Mais Informações:

MEMO – Música, Exibição e Memória
Parque Glória Maria / Teatro Ruth de Souza (antigo Parque das Ruínas)
Rua Murtinho Nobre, 169 - Santa Teresa
Telefones: 21 2215-0621 | 21 2224-3922
Horário de Funcionamento: das 8h às 19h
Entrada Gratuita (mediante a lotação do espaço)
O MEMO aderiu a campanha Santa Teresa sem carro: Seja amigo do Bairro! Não suba Santa de carro! Utilize os transportes públicos.
Informações em www.memofestival.com

P R O G R A M A Ç Ã O   C O M P L E T A

13 DE JANEIRO (SÁBADO)

EXPOSIÇÃO

TROTE VIOLANTE
Obras de LOURIVAL CUQUINHA
13 e 14.01 (sáb/ dom), das 08h às 19h

OFICINA

MARISTELA PESSOA

ESTANDARTES - MEMÓRIA E TRADIÇÃO
13.01 (sáb), às 10h às 13h

RODA DE MEMÓRIAS E VISITA MEDIADA

LOURIVAL CUQUINHA

MEMÓRIA E ARTE, LUGAR DE ENCONTROS

E CONFRONTOS
Mariana Várzea, mediação
13.01 (sáb), às 14h30

RODA DE MEMÓRIAS

JANAÍNA DAMACENO

MEMÓRIA, AFROVISUALIDADES E FUTUROS POSSÍVEIS
Mariana Várzea, mediação
13.01 (sáb), às 16h

SHOW

PRISCILA TOSSAN

A BELEZA É VOCÊ MENINA
13.01 (sáb), às 17h

DJ SET

TATA OGAN

MEMÓRIA AFETIVA DA MÚSICA BRASILEIRA
13.01 (sáb), às 18h

SHOW

ANA DE OLIVEIRA E SÉRGIO RAZ

Part. Marcos Suzano e Quarteto de Cordas

ARMORIANDO

13.01 (sáb), às 19h

14 DE JANEIRO (DOMINGO)

OFICINA

PRISCILA LOBIANCO

CORPO, MEMÓRIA E TRANSCENDÊNCIA

14.01 (dom), às 11h às 13h

SHOW

LEILA MARIA

UBUNTU
14.01 (dom), às 15h

RODA DE MEMÓRIAS

DODÔ AZEVEDO

MEMÓRIA DIGITAL, ENTRE APAGAMENTOS, INOVAÇÕES E COMBATES
Mariana Várzea, mediação
14.01 (dom), às 16h

SHOW

CHICO CHICO

ESPELHO
14.01 (dom), às 17h

DJ SET

TATA OGAN

MEMÓRIA AFETIVA DA MÚSICA BRASILEIRA
14.01 (dom), às 18h

SHOW

ANDREA ERNEST DIAS QUARTETO

UMA RODA PARA MOACIR SANTOS
14.01 (dom), às 19h

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MUSEU DA LÍNGUA PORTUGUESA CELEBRA O DIA INTERNACIONAL DA LÍNGUA PORTUGUESA COM SHOWS, DEBATES E PERFORMANCES GRATUITAMENTE

O Museu da Língua Portuguesa promove uma celebração à potência e à diversidade da música brasileira no contexto do Dia Internacional da Língua Portuguesa 2023, comemorado em 5 de maio, com uma série de atividades nos dias 5 e 6 em diversos espaços do Museu. O tema principal do evento será Língua e Canção, que permeia boa parte da programação da instituição da Secretaria da Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo neste ano. Todas as ações, assim como a entrada ao Museu, serão gratuitas nesses dois dias. Com curadoria do historiador e músico Cacá Machado, o Dia Internacional da Língua Portuguesa 2023 vai abordar a variedade da língua portuguesa e do cancioneiro do país, que se manifesta por meio de diferentes gêneros musicais. Pois, se tem uma gente, um povo, que se revela por meio da música, é o brasileiro.   Na programação, a MPB se fará presente em um show de voz e violão de Chico César. A influência africana no português e a lusofonia aparecem em conversa entre

FESTIVAL DE CINEMA TRAZ DEGUSTAÇÕES DE PRATOS APÓS EXIBIÇÃO DOS FILMES - GRATUITO

Entre os dias 09 e 19 de novembro, o público poderá se emocionar e deliciar com mais de 30 filmes de 14 diferentes países, clássicos da ficção e documentários contemporâneos ligados à comida, à cultura e aos sistemas agroalimentares. Os filmes serão exibidos de forma híbrida e gratuita em São Paulo (Cinemateca Brasileira). Ao longo da jornada, os espectadores  terão a oportunidade de participar desde aulas show de culinária com chefs de cozinha, até debates e degustações de pratos inesquecíveis do cinema, após algumas das exibições presenciais. Já o público de casa poderá assistir a uma seleção de filmes através da plataforma oficial  https://www.spcineplay.com.br , os 16 títulos da programação ONLINE entram na quinta, 9/11 às 19h00 e ficam até domingo 19/11, às 23h59. Basta se cadastrar e aproveitar. Além disso, a curadoria desta edição trará uma incrível e original exposição fotográfica repleta de retratos instigantes e surrealistas de chefs de cozinha, onde o fotógrafo Paulo Vitale

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO DAS FÉRIAS DE JULHO DO MUSEU DA LÍNGUA PORTUGUESA

O Museu da Língua Portuguesa, instituição da Secretaria da Cultura, Economia e Indústria Criativas do Governo do Estado de São Paulo, prepara uma programação intensa e plural nas férias de julho. Além da nova mostra temporária Essa nossa canção, que abre no dia 14, haverá oficinas e apresentações musicais interativas no projeto Brincadeiras ao Pé do Ouvido – Estação Férias, que dialoga com o tema da exposição, sobre a diversidade e a riqueza de nosso idioma na canção popular do Brasil.   Também vão acontecer edições dos tradicionais Sarau Hip-Hop no Museu e Domingo no Museu. Além disso, a Komboteca da Itinerância Poética volta a estacionar na calçada do Museu, e, no Plataforma Conexões, é apresentado um espetáculo que evoca cantigas indígenas e populares.   Por fim, tem ainda a exposição principal do Museu, que apresenta as várias nuances da língua portuguesa por meio de experiências interativas e audiovisuais como a Praça da Língua, o Palavras Cruzadas e o Beco das Palavras.   Boa par